segunda-feira, 11 de novembro de 2013

Não esquecer o espírito do iniciante - "Shoshin Wasurubekarazu"

"Principalmente nos momentos de cansaço ou na hora de levar bronca, as pessoas se esquecem do primeiro dia de combate. O Foco e os objetivos são lançados ralo abaixo e o guerreiro desiste.
Quando são repreendidos, frequentemente largam a bandeira da luta, abandonam derrotados seu posto e seu grupo, se dizendo injustiçados, quando na realidade, os sentimentos de egoísmo, desejo de ser reconhecido, ódio ou medo são os verdadeiros motivos.
Justa ou injustamente repreendidos, aí é que entra o autocontrole para enxergar com sabedoria as consequências de desertar na guerra. Lembre-se dos motivos que o levaram ao combate. Intempéries e adversidades de todos os tipos surgem no decorrer de uma longa batalha. Neste momento, o praticante deve ter a convicção do motivo de estar ali.
Shoshin Wasurubekarazu - Não esquecer o espírito do iniciante. 
Kihikawa, J - Shin Hagakure: Pensamentos de um Samurai Moderno

Realizou-se no dia 26 de outubro de 2013, no Ginásio Poliesportivo Mauro Pinheiro, no Ibirapuera, em São Paulo a cerimônia de formatura e entrega de certificados aos formandos do 1º. Curso de Instrutores Oficiais da FPK.
O Curso foi desenvolvido e ministrado pela da Escola de Karate-Do do Brasil especialmente para a Federação Paulista de Karate, a FPK, seguindo a orientação holística de formação fundamentada nos princípios do Karate-Do: Tradição, Conduta, Didática, Teoria e rigoroso Treinamento prático, abrangendo a preparação Física, Técnica, Estratégia e Tática, e Psíquica. 
Um dos pontos importantes ressaltado na cerimônia de formatura dos instrutores, pelo Sensei Ennio Vezulli, foi a entrega de além do certificado e um distintivo, uma faixa branca para cada formando e a mensagem de nunca se esquecer do espírito iniciante.




 

sexta-feira, 23 de agosto de 2013

O ego não deve entrar na luta



MUGA = Ausência do Eu



"Não basta cruzar espadas somente com o intuito de acertar e vencer o oponente. Quando se fala em não colocar o ego, significa que as nossas mesquinharias não devem fazer parte do confronto. Quem está me vendo lutar? Será que estou encenando bem? E se eu perder? E se eu ganhar? – são perguntas que não cabem no espaço entre duas espadas. Enquanto executamos todas as nossas ações em proveito próprio, elas não são sinceras. Logo entrará o ego, e isso culminará em escolher o caminho mais cômodo, mais fácil. A luta se tornará parcial, e as chances de vencer o combate e ganhar a vida ficarão limitadas." - Trecho extraído do livro: Shin Hagakure de Jorge Kishikawa

 Durante os treinos envolvendo o combate, ter isso em mente faz muita diferença. Perceba que conceitos desportivos atrapalharão o desenvolvimento da sinceridade da luta, inclusive a sua luta do dia-a-dia.
Como evoluir nesse sentido? 
Só conhecemos uma maneira. Vista o seu Karate-Gi e treine.

Oss!






sexta-feira, 16 de agosto de 2013

quarta-feira, 7 de agosto de 2013

Código de Conduta

Bom dia! 
Foi publicado recentemente pela Escola de Karate-Do do Brasil o seu Código de Conduta, brilhantemente compilado pelo Sensei Ennio Vezzuli.

Seguem as palavras do Sensei sobre a elaboração:

"Bom Dia Srs. Karate-Kas e Instrutores!

Abaixo segue o "link" para o "Código de Conduta da Escola de Karate-Do do Brasil":


A ideia surgiu durante o "1o. Curso de Formação de Instrutores Nível 1" quando se verificou que, embora houvesse farto material sobre a Conduta e o Caminho do Karate-Ka, não havia uma compilação em um único documento para referência e consulta.

Concluiu-se que existência de um Código de Conduta, por escrito, claro e detalhado, fornecido para cada praticante seria de suma importância, pois, com ciência das virtudes a alcançar, do comportamento esperado e compreensão dos “porquês”, prevenir-se-ia condutas inadequadas por diferenças de costumes, hábitos e falta de informação, o que muito facilitaria a caminhada em direção aos objetivos do Karate-Do.

A compilação deste código se baseou no “Bushi-Do”, o Código de Conduta dos Samurais, que influenciou sobremaneira as chamadas “Artes Marciais Japonesas” atuais e em princípios, valores e nas melhores práticas universalmente aceitas.

Não é algo novo, não tem a pretensão de ser o único ou ditar regras, muito menos de reclamar uma autoria. É simplesmente uma compilação de condutas, práticas recomendadas e virtudes a alcançar. É adotado pela "Escola de Karate-Do do Brasil" e tem a intensão de ajudar. Use-o a vontade: adote, modifique, adapte da forma que bem entender em prol do Karate-Do e de seus praticantes.

Oss.

Ennio Vezzuli"


sexta-feira, 2 de agosto de 2013

Keiko Kan Karate-Do Sorocaba particpa do Progarama de Aprendizado e Treinamento Contínuo da Escola de Karate-Do Brasil

O início de nossa Escola se deu principalmente por conta do surgimento da Escola de Karate-Do Brasil, com a uma proposta séria idealizada pelo Sensei Ennio Vezzuli de promover o verdadeiro Karate-Do, possuindo como norte a seguinte missão:
"A Escola assume para si, na pessoa de seus integrantes, a missão de: Preservar, Estudar, Treinar, Desenvolver, Ensinar o Karate-Do e estender os benefícios de sua prática à maior quantidade e variedade possível de público."
Nesse sentido, além dos treinamentos do Curso de Formação de Instrutores, dos quais participam os Senpais Mauro Tanaka e Marcelo Tozzi, marcamos a presença de nossa associação em todos os eventos que a Escola de Karate-Do promove. E não poderia ser diferente neste segundo treino/aula do Programa de Aprendizado e Treinamento Contínuo da Escola de Karate-Do Brasil, cujo o tema foi: Unsoku Fundamental: O Diferencial do Karate Efetivo - 2a parte.
Tivemos neste evento a participação dos instrutores formados na primeira turma do Curso de Formação de Instrutores e de companheiros do caminho de diversas associações e estilos de Karate-Do, mostrando mais uma vez que proposta da escola prima pelo desenvolvimento pleno do Karate-Do, não se prendendo a siglas e outras divisões políticas que não agregam muito ao desenvolvimento da arte.
 




quinta-feira, 18 de julho de 2013

Kangueiko



 
Como nossa escola é pautada pelos valores do Budô, e a procura pelos nossos treinos tem em sua maioria pessoas que buscam o “algo mais” em relação às artes marciais, não podemos deixar de ressaltar a importância de se manter treinando mesmo nesta época de inverno.
Tradicionalmente nas Artes Marciais, o Kangueiko é de suma importância para fortalecer o espírito dos praticantes.
A palavra "Kangueiko"  é Japonesa como certamente já notaram, o seu significado é "Treino de Inverno", literalmente  que dizer, Kan = frio e Geiko = treino. Treino de Inverno ou Treino no Frio.
Aqui cabe muito pertinentemente o 11º dos 20 ensinamentos de Funakoshi Sensei:
“Karate Wa Yu No Gotoku Taezu Netsu O Atae Zareba Motono Mizuni Kaeru
O Karate é como água quente. Se não receber calor constantemente torna-se água fria.”
É comum nos acomodarmos com a grande oferta de conforto que estes novos tempos nos trazem.  As pessoas estão mais comodistas e rodeiam-se de muitas coisas que lhes dão prazer e sempre que muda o tempo há redução de participantes nas classes, se chove as pessoas têm que se habituar à chuva e por isso não saem para irem treinar. Se o tempo muda para o calor é porque está calor. Mas o frio é sem dúvida o que provoca mais reduções nos treinos. Com frio até os mais graduados ficam agarrados ao sofá, enrolados no conforto do Lar.
Vencer este tipo de batalhas faz dos seres humanos pessoas mais fortes em vários sentidos.
É um grande erro pensar que nascemos para viver no Paraíso, que vamos passar a vida de barriga para o Sol e que tudo serão alegrias e facilidades. Ninguém consegue impedir a chegada do sofrimento, o sofrimento faz parte da nossa existência e quando não sofremos diretamente no nosso corpo, sofremos por aquilo que acontece aos que amamos, filho, pai, mãe, neto, irmão, etc.
Para participar em ações como o Kangeiko, é preciso ir mais além do vulgar modo de pensar sobre a existência e isso nem todos estão dispostos a pôr em prática.
Por isso, insisto: Não deixem de comparecer aos treinos mesmo nos dias mais frios. Aproveite essa chance de mostrar que você está apto a enfrentar qualquer adversário!

terça-feira, 4 de junho de 2013

A origem de 押忍!(osu)

A origem de 押忍!(osu)

by Rob Redmond - December 30, 2008

“押忍!” De onde esta expressão “osu!” veio afinal? Por que japoneses dizem
isso? Qual a origem da palavra? Uma pessoa diz que isso é abreviação para
“bom dia” e outra diz que significa “Sim, senhor!” Quem está certo?
Existem duas teorias dominantes a respeito das origens do japonês moderno
usando “押忍!”. Cada teoria é apenas isso: apenas uma teoria. Nós podemos
fazer um pouco mais do que especular sobre de onde a expressão veio.
Para a teoria um, remeto para o japonês: The Spoken Language in Japanese
Life do Dr. Mizutani Osamu (Tokyo, Sotakusha, Inc., 1981). Dr. Mizutani é um
professor linguista na Universidade de Nagoya e tem frequentemente publicado
no The Japan Times, jornal de idioma inglês do Japão, como um especialista no
assunto. Ele também tem uma longa lista de livros que publicou sobre o idioma
japonês.
Na página 59 ele fala sobre uma experiência de pessoas cumprimentando de
volta. Ele cumprimentou as pessoas nas ruas e observou as respostas. Ele
sempre dizia: "おはよ ござい ます" (Ohayo gozaimasu), o que significa, muito
educadamente, "Ainda é cedo" e é comumente usado como "bom dia" no Japão.
Durante o experimento, ele notou que o cumprimento mudava conforme a
situação mudava. Pessoas correndo, envolvidas em atividade atlética,
responderam com mais áspera linguagem do que as pessoas que estavam
andando pelas ruas com um destino em mente.
Neste estudo ele constatou que a maioria das pessoas que corria respondeu com
“おはよっす!” (Ohayossu!), “おはようす” (Ohayoosu!), “おうす!” (Oosu!), or
“押忍!” (Osu!) para ele.
Pelas respostas, nós podemos ver um padrão claro na língua japonesa, como a
expressão mais formal é contraída:
Ohayo. Mais familiar e íntimo; uso casual direcionado para amigos e vizinhos.
Eu costumava dizer isso e recebia isso de volta toda manhã quando eu entrava
no escritório enquanto eu trabalhava no Japão. Clientes e visitantes que vinham
diziam o mais formal “Ohayo Gozaimasu” para nós, no entanto, porque eles não
eram parte do nosso grupo de trabalho.
Ohayossu ou ohayoosu. Mais atlético, expressão masculina. Você pode ouvir
isso de um vizinho que você não conhece muito bem se você o cumprimentar
enquanto ele está correndo e passar por você. O uso de linguagem de homens e
de mulheres diferem mais em japonês do que em inglês. Há expressões
femininas e masculinas distintas e o japonês acha inapropriado para homem e
mulher usarem a linguagem um do outro. Geralmente tal uso é reservado para
os travestis.
Ossu ou oosu. Uma expressão muito dura, áspera, de masculinidade. Usada
principalmente por jovens rapazes e outros envolvidos em atividades esportivas
juntos. É geralmente voltada para os colegas, não o treinador, instrutor ou
outros idosos. A expressão é evitada por mulheres, a menos que a cultura em
particular da atividade atlética tenha se tornada uma em que as mulheres usam
esta palavra regularmente. A partir desta contração escalada da palavra, usado
pelos japoneses neste estudo, é bastante evidente que todas as quatro
expressões sejam relacionadas: osu, ohayosu, ohayo, e ohayho gozaimasu. Eu
acho que "Osu!" É provavelmente uma contração de "Ohayo gozaimasu".
Mizutani escreve em seu livro que "Osu!" É uma expressão áspera usado por
homens para outros homens, e que significa "Hi ya!" em Inglês (Mizutani, 60).
Para os curiosos, há uma expressão mais áspera do que "Osu!". "お" (Oh!) é
considerado um cumprimento mais áspero, mais viril e potencialmente rude do
que "Osu!". Gostaria de ler o resto deste artigo antes de usar isso com alguém.
Eu nunca ousei experimentá-lo com qualquer um dos meus amigos japoneses
antes.
Há outra teoria para a origem desta palavra e é suportada pela maneira que o
japonês escreve “Osu!” Toda vez que eu vi a palavra escrita, o kanji mostrado
aqui foram usados.
O primeiro kanji é o verbo japonês
“osu” que significa
“empurrar”(Hadaminsky & Spahn,
The Kanji Dictionary. Tokyo: Charles
E. Tuttle Company, 1996). É uma
palavra comum, usada da mesma
forma que quando se diz "Empurre a
porta aberta" ou "Empurre meu carro, porque ele quebrou. O segundo kanji é o
verbo japonês “shinobu” que significa “suportar” e “esconder” (Hadaminsky &
Spahn) A expressão é contração destas duas palavras juntas. Isso cria diversas
possibilidades para o significado original da expressão.
Empurrar e Sofrer. “Osu!” pode ser uma expressão que significa que você
deve perseverar sob condições adversas. Esse seria um tipo muito japonês e
Osu é escrito usando o kanji para Empurrar e Sofrer.
militar de significado para ele e uma vez que a história do Shotokan está
enraizado um tanto no período militarista da história do Japão, seria um
significado plausível.
Empurrar e ocultar. Poderia significar que você se supera e não mostra isso.
Que é também um conceito muito japonês. Os japoneses não pensam que é
apropriado permitir sua face carregar todas suas emoções. Durante aulas de
Karate no Japão, eu notei que enquanto eu estava fazendo uma careta, me
esforçando, ou olhando como se estivesse prestes a ter um colapso, os rostos
japoneses eram todos sem expressão, como se os seus rostos estivessem no
corpo de alguém que não estava tentando tão forte. Portanto, eu acho que esse
significado potencial também é bem provável.
Por favor senhor, posso ter outro! “Onegaishimasu” é outra palavra que
pode ser contraída para “Osu!” Onegaishimasu é uma palavra polida abrangente
que geralmente significa “por favor” e às vezes “desculpe.” Eu notei que no
Japão algumas pessoas usavam isso em vez de “Osu!”
É importante diferenciar entre as origens de “Osu!” e o uso correspondente da
expressão. Só porque a palavra está enraizada em "bom dia" ou "empurrar e
esconder", não significa que os japoneses estão pensando isso quando eles
dizem isso hoje em dia, tanto quanto você não está pensando na expressão
obsoleta francesa para "stop" (holla) quando você diz "hello" para alguém.
As origens possíveis da expressão "Osu!" São pouco mais do que curiosidades do
idioma japonês. As verdadeiras origens são desconhecidas para os especialistas
em karate e os próprios japoneses. Se se trata de uma expressão de "bom dia" ou
"empurrar" faz pouca diferença de como e quando usá-la hoje.
Isso tudo é informação interessante para aqueles de nós que querem saber de
onde a palavra vem, mas não é questionável. Só é útil em um jogo de Karate
Trivial Pursuit (*referência a um jogo de tabuleiros com questões de
conhecimento).
Fonte: http://www.24fightingchickens.com


Agradecimento especial ao Felipe Teruo Endo que traduziu o artigo original. Ossu!

segunda-feira, 27 de maio de 2013

Sábado pela manhã

Seguem algumas fotos do nosso treino neste último sábado 25/05 pela manhã.
O que você está esperando para se juntar a nós?







sexta-feira, 24 de maio de 2013

Casa nova, novos horários

Após um período de treinamentos em um local provisório, podemos dizer que estamos em casa agora.
Com muita alegria, fechamos uma parceria com o Dojô Kokorô de Aikidô e estamos praticando agora o Karatê-Dô em um local apropriado à nossa prática, que é voltada ao desenvolvimento e aperfeiçoamento pessoal.
Em breve, colocarei alguns artigos que ilustrarão melhor este conceito.

Endereço: Rua Esmeraldo Tarquínio 53 - Parque Campolim - Sorocaba - SP
Horários: Segundas-feiras das 18h às 19h
                Quartas-feiras das 7h às 8h
                Sábados das 8h às 9h



 

segunda-feira, 15 de abril de 2013

A polêmica reverência (rei) nos treinos das artes marciais

Olá pessoal!

Como um dos objetivos do nosso grupo, além da prática do Karatê-Dô, voltada aos princípios da arte marcial, é o de manter também a teoria e os estudos em dia (Bun Bu Ryu Dô), vou aproveitar o espaço e colocar o primeiro aspecto da prática, que pode vir em algum futuro gerar certo desconforto por este ou aquele praticante: a saudação ou "rei".
Para deixar esclarecido para os membros de nossa associação, coloco aqui um trecho do livro: Faixa Preta - Karatê, do Sensei Hirokazu Kanazawa:

“O Primeiro dos vinte preceitos do Karatê do mestre Gichin Funakoshi, que diz: ‘Não se esqueça de que o Karatê começa com o rei e termina com o rei.’ Embora o rei do estilo tradicional japonês de se sentar com as pernas dobradas embaixo, seja uma forma de mostrar gratidão e respeito, algumas pessoas podem achar inaceitável ter de abaixar a cabeça dessa forma devido às suas crenças religiosas. Gostaria de salientar, contudo, que o Karatê é uma parte da cultura japonesa, e é importante aceita-la como tal. Ter um dojô nos permite treinar Karatê, assim como a presença de parceiros de treinamento. Devemos ser gratos por isso. E, para demonstrarmos essa apreciação, nos ajoelhamos e abaixamos nossas cabeças no início e no final do treinamento.”
 

Espero que com isto esclarecido, iniciemos nosso treino.

Shomen ni rei
Sensei ni rei
Otagai ni rei

Oss!

 

domingo, 7 de abril de 2013

Treinos aos Sábados

Neste sábado 06/04/2013, iniciamos os treinos aos sábados com a presença de mais dois grandes amigos com quem treinamos por muitos anos.
Além de muito gratificante pelo treino em si, rever os amigos é muito bom.
Sigamos treinando!
Oss!

quarta-feira, 3 de abril de 2013

E Seguem os Treinos!

Estamos firmes nos nossos treinos diários e nos nossos propósitos de cultivar a essência da arte do Karatê-Dô. Não tem sido fácil vencer o cansaço, as dores musculares e outras dificuldades comuns do dia-a-dia.
Enfim seguimos praticando e fortalecendo essa amizade e companheirismo que temos hà mas de 20 anos.


terça-feira, 2 de abril de 2013

História

Algumas fotos históricas de nossas participações em competições nos anos 80/90.
Essas fotos foram garimpadas pelo Marcelo Tozzi, que as disponibilizou antes do nosso encontro no início do mês de março/2013, que deu origem à retomadas dos treinos.
Quem tiver fotos desta época e quiser colaborar, por favor envie-as para karatedosorocaba@gmail.com





segunda-feira, 1 de abril de 2013

Os passos...

Passo 01
Após nosso reencontro, decidimos que para todos nós, estava fazendo falta treinar o Karatê-Dô como treinávamos naquela época, com o objetivo maior de nos tornarmos pessoas melhores, fortalecer os laços de amizade, que como pudemos comprovar estão ainda muito fortes.
Com isso em mente, demos o primeiro passo para organizarmos a nossa prática. Procuramos o Sensei Ennio Vezzuli que através da Escola de Karatê-Dô Brasil está se movimentando para "mudar" a situação do Karatê-Dô no Brasil. Para quem quiser se informar sobre as diretrizes da escola, acesse o documento de apresentação da Escola neste link: http://escoladekaratedodobrasil.com.br/EscoladeKarateDodoBrasil-Apresentacao-ProjetoSumario.pdf
Também fomos orientados pelo Sensei a participarmos do Curso de Formação de Instrutores, chancelado pela Escola de Karatê-Dô Brasil e apoiado pela Federação Paulista de Karatê (FPK).
Neste curso, estão matriculados Mauro Tanaka e Marcelo Tozzi.

Passo 02
Um dos mais importantes passos, era definirmos o local para treinarmos, uma vez que o Karatê-Dô não se faz só com leitura e conversa. É preciso praticá-lo!
Nesse sentido, iniciamos nossos treinos graças à colaboração do Felipe Endo, que possibilitou que utilizássemos as dependências da Acedemia Biofit.
Importante: Nosso treino não faz parte da grade oficial da academia. Logo, não adiantará pedir informações sobre horários e valores na secretaria. As informações poderão ser obtidas através do e-mail: karatêdosorocaba@gmail.com

Inicialmente os treinos estão ocorrendo às terças e quintas-feiras das 7h às 8h da manhã e aos sábados das 9h30 às 10h30 da manhã.

Esperamos vocês lá!

Abaixo, as fotos da participação no curso de formação de instrutores: